terça-feira, 26 de abril de 2011

PRÉ-HISTÓRIA DO MATO GROSSO DO SUL

 PROFª  ELZA AMÉRICA DOS SANTOS VICENTE

Este artigo é produto de uma reflexão sobre a Pré-história de Mato Grosso do Sul e tem como objetivo destacar a chegada dos primeiros povos e assentamentos humanos no Estado.     

Diante a necessidade em conhecer a Pré-história de Mato Grosso do Sul, as pesquisas arqueológicas foram iniciadas a partir da década de 80, em sua maioria por arqueólogos brasileiros vinculados as instituições de ensino superior.

Segundo estudos elaborados pelo professor da UFMS, Jorge Eremites, é certo que os projetos de pesquisas em Mato Grosso do Sul começaram na década de 80, com o Projeto Paranaiba e o Projeto Araguaia. Ao que tudo indica as primeiras ocupações humanas no Estado, estão associadas ao final do período Pleistoceno e inicio do Holoceno com populações de caçadores e coletores.  Neste período, verificou-se uma mudança nas condições climáticas, isto é, o clima tornou se mais quente é úmido, que consequentemente favoreceu diferenças na vegetação, alimentação e posteriormente um aumento demográfico.

Com essas mudanças climáticas, os grupos de caçadores e coletores modificaram a tecnologia de instrumentos líticos, e em alguns casos, desenvolveram as técnicas de cultivo e cerâmica, aparecendo então à tradição Una que possibilitou a transição de caçadores e coletores para agricultores.

Os sítios arqueológicos encontrados, não estas sempre em solos propícios a agricultura ou em curso d’água, mas implica na complexidade do ecossistema da região e nos padrões sociais culturais. As populações se encontravam em ambientes fechados ou abertos, com densidade populacional e expansão territorial diferenciadas, portanto os povos da região sulmatogrossense não possuíam uma mesma cultura.

O pantanal região localizada no Estado de Mato Grosso do Sul, compreende os povos das terras baixas e altas. Nas terras baixas, estão situadas as áreas inundáveis, com datações de 8.200 A.P., tendo a pesca como principal fonte de alimento. As terras altas da região do Pantanal deram-se sua ocupação mais tardia, por grupos agricultores e ceramistas.

Tanto as terras altas como as terras baixas do Pantanal, podem ser consideradas como um verdadeiro mosaico cultural. Com a chegada dos europeus, muitos destes povos foram dizimados, mas os que sobreviveram continuaram resistindo ainda ao processo de conquista.

Conforme foi mencionado, desde a Pré-história do Mato Grosso do Sul, vários grupos étnicos habitaram a região. Dentre eles podemos destacar os Guató, Kadiwéu, Kayova, Kamba, Terenas, Ofaié, Nhandeva e outros.

Podemos observar que no Estado existia e existem diferentes culturas, e com o contato dos grupos existentes na região com homens de outra cultura da ameríndia, estabeleceu se conflitos, que dizimou vários grupos na Pré-história, mas, através desses conflitos, produziu-se uma nova história do Mato Grosso do Sul.

(Elza América dos Santos Vicente, graduada em História pela UFMS, pós-graduação em História     e Geografia pela FIFASUL e mestre em Ciências da Educação pela UTCD- Assunção Paraguay. Públicado no Jornal O Progresso  em 17/10/2003.Com a parceria das acadêmicas do curso de história Marcilene L.Vieira, Silvia Renata Cestare).

 

                        

Nenhum comentário:

Postar um comentário